Caas e o crédito como serviço no Brasil

Posted on

Credit as a Service é uma solução financeira que tem tudo para se tornar um diferencial gigante para empresas que buscam novas linhas de receita e soluções para questões econômicas de seus clientes e usuários.

Seu nome é uma referência serviços que são contratados e pagos periodicamente e conforme o uso (as a service) amplamente difundidos no segmento de tecnologia.

Porque CaaS é a grande tendência de 2019?

Porque pode melhorar a experiência do cliente, aumentar vendas, fidelizar o usuário, diminuir riscos e ainda virar outra linha de receita para a empresa.

O Credit as a Service, ou CaaS, é uma solução oferecida por fintechs especialistas que dominam os principais mecanismos para tomada de crédito. Seu objetivo é criar uma linha de crédito customizado para as necessidades da rede de clientes e/ou usuários de uma empresa ou marketplace. Essa solução é completamente b2b, ou seja, o cliente e/ou usuário da empresa tem contato direto com ela e não com a fintech que fornece a solução.

Em países como Estados Unidos isso acontece desde meados de 2018, mas a primeira a fazer isso no Brasil é a Zen Finance, operação capitaneada por Jorge Vargas Neto, ex Biva, desde julho de 2018.

A proposta da Zen é oferecer as peças principais para a criação de uma linha de crédito, como um algoritmo preditivo de análise de crédito, funding para os empréstimos, atendimento e cobrança.

O que acho interessante nessa solução é que grandes varejos possuem muitas informações sobre seus clientes e isso ajuda a enriquecer ainda mais o algoritmo preditivo que já conta com centenas de pontos de dados não convencionais elencados e testados por cada fintech, além de machine learning para identificar comportamentos suspeitos de potenciais fraudadores, diminuindo assim os risco de inadimplência nos casos de empréstimo.

Já o lado dos usuários é beneficiado porque o conhecimento de seu perfil de pagamento é tão amplo que o risco de fazer o empréstimo para eles é baixo, tornando assim os juros cobrados no empréstimo bem mais baixos dos que instituições financeiras cobrariam ou, pior ainda, mecanismos como o cartão de crédito e cheque especial nos casos de inadimplência.

Os riscos deste modelo

Um ponto que precisa de atenção aqui é o autocontrole dos usuários. Poucos brasileiros têm educação financeira e a tentação de comprometer sua renda em empréstimos que poderiam ser evitados é grande.

Já para o lado das contratantes do serviço, é essencial estudar a fintech que oferece esse serviço. Dados como eficiência do algoritmo, nível de inadimplência em uma curva de tempo madura e taxa de sucesso na cobrança são indicativos chave para este produto financeiro.

Por fim, as fintechs que oferecem esse serviço precisam ter acesso a informações confiáveis e estruturadas sobre os possíveis tomadores de crédito, e infelizmente nem sempre essas informações estão disponíveis.

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *